Show simple item record

dc.contributor.authorCasagrande Cichowicz, Ana Paula
dc.date.accessioned2016-03-18T19:28:09Z
dc.date.available2016-03-18T19:28:09Z
dc.date.issued2012
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/11086/2392
dc.description.abstractA representação incutida no imaginário social acerca do que é um cigano foi em boa parte disseminada através de obras de arte literárias que expressam dois tipos-ideais da “ciganicidade”, figurando estes sujeitos ora como “marginais” e “imundos” -, ora como “festeiros” e “misteriosos”. O trabalho que venho propor para o eixo temático “Poéticas e Políticas de la Performance”, parte de uma pesquisa etnográfica realizada no Brasil junto com ciganos nômades rom-kalderash, na qual tinha por intuito ouvir o que estes sujeitos tinham a dizer sobe eles mesmos. Contariam estórias nas quais seriam personagens? De que modo estas estórias eram contadas? E estas, seriam importantes para o modo como os ciganos se construíam como “sujeito-rom”? Não mais as narrativas literárias grafadas em livros, mas as performances narrativas de um povo ágrafo. Entretanto, antes de pensar as performances narrativas, tornou-se necessário discorrer sobre a noção de “espaço”, devido ao fato de que o modo como os rom vivenciam e praticam os espaços por onde passam em suas “eternas” caminhada sem começo e sem fim, é fundamental para entender o contexto nos quais as narrativas ocorrem, que por sua vez é basilar na compreensão do evento performático. Assim sendo, no interior de um campo fenomênico de transformação de “espaço geográfico” em “espaço antropológico”, as “estórias de viagens” performatizadas pelos rom-kalderash reelaboram os tipos-ideais expostos pela literatura ficcional e são basilares no modo como os kalderash constroem-se como sujeitos rom, ou seja, como “sujeitos fantásticos”. Gostaria de frisar, do mesmo modo, que tais performances narrativas nos permite pensar performativo como sendo um espaço de resistência e confrontação política no interior dos discursos dominantes, seguindo aqui Butler e Derrida e, igualmente, nas “estórias de viagem” kalderash como um ato de insurreição destes “sujeitos fantásticos”.es
dc.language.isopores
dc.rightsAtribución-NoComercial-SinDerivadas 2.5 Argentina*
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/2.5/ar/*
dc.subjectarte de performancespa
dc.titleA magia social do performativo e os ciganos como seres fantásticos.es
dc.typeconferenceObjectes


Files in this item

Thumbnail
Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

  • Ponencias | Primeras Jornadas de Estudios de la Performance
    Las Jornadas de Estudios de Performance procuran construir un espacio común de investigadores/as y artistas para la discusión, revisión y actualización de tópicos específicos en torno a la teoría y práctica de la Performance. Esta ediciones buscan, en su repetición siempre igual y siempre diferente, consolidar un campo de investigaciones y producciones en expansión que entrecruza a diferentes disciplinas artísticas y académicas como Antropología Social, Sociología, Psicoanálisis, Lingüística, Teatrología, Teoría y Crítica del Arte, Filosofía, Teoría Queer, Neurociencias, Psicología Cognitiva, Historia de la Cultura, e Historia del Arte, entre otras.

Show simple item record

Atribución-NoComercial-SinDerivadas 2.5 Argentina
Except where otherwise noted, this item's license is described as Atribución-NoComercial-SinDerivadas 2.5 Argentina

DSpace software copyright © 2002-2015  DuraSpace